Arquivo mensal: Junho 2010

Reunião da Plataforma da Imigração e Cooperação em Madrid

El 24 de junio tuvo lugar, en Madrid, una reunión ordinaria de la Plataforma Internacional de Cooperación y Migración (PICM-IPCM) en la que se ha acordado que todas las organizaciones que la conforman seguirán trabajando, a pesar de la crisis,  para promover proyectos de Cooperación Internacional al desarrollo entre organizaciones sociales en Europa, África, Asia y América Latina; y el estudio y análisis de los procesos migratorios desde una dimensión de solidaridad europea.

La reunión ha contado con la presencia de varios miembros de su junta directiva como el Primer Vicepresidente, Rafael Rodríguez-Ponga y Salamanca, por H+D para el Desarrollo, de España; la Vicepresidenta María Reina Martín Ferreira, de la Asociación para la Formación, Investigación y Desenvolvimiento Social de los Trabajadores (FIDESTRA), de Portugal; el Secretario General, Francisco Rivas Gómez, en representación de EZA; su Vicesecretario Jesús Casado Gonzalo, del Centro Social de los Trabajadores, de España y Marta Jedrych, en representación del Europejski Dom Spotkan Fundacja Nowy STAW, de Polonia. También estuvieron presentes Maribel Alañón y Javier Sota, directora y subdirector de H+D respectivamente.

La reunión también ha servido para preparar la próxima asamblea general que tendrá lugar en Santiago de Compostela a mediados de noviembre.

La Plataforma, constituida en 2009 al amparo de la legislación española, agrupa a 21 Ong´s de países de Europa e Iberoamérica, entre los que se encuentran España; representada por H+D y el Centro Social de Trabajadores (CST); Alemania, Italia, Portugal, Albania, Polonia, Rumania y Chile. Además cuenta con el apoyo de dos redes internacionales: el Centro Europeo de los Trabajadores (EZA) y la Unión de Centros de Estudios del Mediterráneo (UCEM).

POSTOS DE TRABALHO ESTÁVEIS, COM QUALIDADE E SUSTENTÁVEIS

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=zhSD9ACCWvA]

Decorreu nos dias 23 a 25 de Junho o Seminário Internacional subordinado ao tema “POSTOS DE TRABALHO ESTÁVEIS, COM QUALIDADE E SUSTENTÁVEIS”

A cargo da USO – Unión Sindical Obrera, Madrid, decorreu o Seminário sobre a problemática do trabalho em tempos de crise.  A FIDESTRA cumprindo com os seus desígnios e partilhando as preocupações que esta temática nos ocorre, participou com uma delegação de três elementos, apresentando as suas comunicações e contributos para encontrar soluções que permitam que o trabalho e a valorização do mesmo neste contexto de crise económica.

Os painéis distribuíram-se pelas seguintes temáticas:

“Análise geral da crise económica para o emprego em Espanha e na União Europeia. Causas e consequências”

“Principais medidas adoptadas pela UE perante a crise. Análise de resultados e tendências políticas de futuro” 

“Situação de Espanha nos mercados financeiros internacionais”

“Repercussões da crise económica no mercado laboral”

“A acção sindical perante a crise: Diálogo social e negociação. Propostas e iniciativas para o futuro”

“Como enfrentar os efeitos no mercado do trabalho neste cenário de crise”

A FIDESTRA contribuiu com várias comunicações e com a moderação de um painel.

Ilhas gregas à venda para pagar dívida do Estado

Segundo o jornal britânico, um terço da área da ilha de Mykonos, um dos principais destinos turísticos do país, está à venda. Este terço da ilha pertence ao Estado, que procura um comprador para injectar capital novo e desenvolver um complexo turístico, afirmou o jornal, que cita uma fonte próxima das negociações.

Por outro lado, investidores, maioritariamente russos e chineses, estão interessados em propriedades da ilha de Rodes a pensar em futuros destinos no Mediterrâneo para os clientes, cada vez mais abastados, daqueles países.

Entre os supostos interessados está o magnata russo Roman Abramovich, o multimilionário proprietário do clube de futebol britânico Chelsea, apesar de um porta-voz ter negado qualquer investimento imediato

Segundo o portal da Internet Private Islands, a ilha de Nafsika, no mar Jónico, está à venda por 15 milhões de euros.

Por menos de dois milhões

Outras, no entanto, vendem-se por menos de dois milhões de euros, ou seja, por um preço inferior a uma casa nos bairros londrinos de Chelsea ou Mayfair, afirma o jornal.

“É algo que entristece. Vender ilhas ou zonas que pertencem ao povo grego devia ser o último recurso”, afirmou Makis Perdikaris, diretor da Greek Island Properties.

Mas, adiantou o empresário, “primeiro é importante desenvolver a economia e atrair investimentos estrangeiros e internos para criar a infra-estrutura necessária. O importante é obter financiamento”.

A City de Londres, que rejeita investir na Grécia devido ao risco desencadeado pela crise, congratulou-se com a decisão de vender algumas das ilhas gregas.

“É uma vergonha que se tenha chegado a este extremo, mas pelo menos demonstra que a Grécia está decidida a tomar todas as medidas necessárias para tentar cumprir as suas obrigações”, explicou ao jornal Gary Jenkins, analista da empresa Evolution Securies

BP vai pagar 20 mil milhões de dólares de indemnização por derrame no golfo do México

Segundo os media norte-americanos, a Administração Obama chegou hoje a acordo com a companhia petrolífera para o pagamento daquele montante, que será depositado numa conta sob um controlo independente, e que se destina a compensar os residentes da zona pelos danos causados.

O primeiro encontro frente-a-frente entre o Presidente norte-americano, Barack Obama, e a liderança da BP decorreu na Casa Branca. O fundo será gerido pelo advogado Kenneth Feinberg, que geriu já uma conta criada para indemnizar vítimas dos ataques terroristas de 11 de Setembro, de 2001.

O anúncio foi feito depois de ontem Obama ter feito uma comunicação oficial ao país a partir da Sala Oval, definindo como uma “epidemia” o derrame de mais de 378 milhões de litros de petróleo desde a explosão do poço Deepwater Horizon ao largo do estado do Luisiana, a 20 de Abril. “Vamos ter de lutar contra esta epidemia por muitos meses e talvez anos”, reconheceu o Presidente. “Vamos combater este derrame com tudo o que temos, pelo tempo que for preciso. Vamos fazer a BP pagar pelos danos que causou. E vamos fazer tudo o que for necessário para ajudar as populações do golfo a recuperar desta tragédia”, prometeu.

Estimular e Promover o Diálogo Cívico e Social na Roménia

 

De 27 e 30 de Maio de 2010, a FIDESTRA e a FTDC, participaram no Seminário sobre Responsabilidade Social Corporativa (RSC), em Bucareste, Roménia.

Este encontro foi organizado pela congénere Romena, CSDR, no âmbito das organizações da rede europeia EZA e teve como objectivo a troca de experiências dos diversos parceiros, em matéria de política social.

Estiveram presentes organizações provenientes de Itália, Espanha, Alemanha, Polónia, Roménia e Portugal, as quais apresentaram e debateram os diversos conceitos nacionais no âmbito da RSC.

No que concerne à FIDESTRA, apresentaram-se exemplos de empresas com boas práticas em matéria de Responsabilidade Social de Empresa (RSE), implementando o debate entre todas as delegações presentes. A nossa organização propôs ainda que no caso das empresas multinacionais, assinaladas como exemplos de Boas Praticas em Portugal, verificassem ás organizações congéneres se tal é similar nos países respectivos.

Foi ideia generalizada e de consenso, entre todas as organizações, da necessidade de se investir na RSE, por forma a alcançar uma realidade Laboral mais justa e equitativa.  

 

Lisboa, 31 de Maio de 2010

José Manuel Pessanha

Maria Reina Martin

A Informação e as Tecnologias da Comunicação

 

  

Decorreu nos dias 14 a 16 de Maio em Malta, organizado pela AZAD – Academia para o Desenvolvimento de um Ambiente Democrático, com o apoio do EZA – Centro Europeu para Assuntos dos Trabalhadores e da Comissão Europeia um seminário cujo tema se pautou sobre a aInformação e as Tecnologias da Comunicação: Ética, Segurança no Trabalho e Participação dos Trabalhadores

Neste seminário internacional estiveram presentes Fernando Moura e Silva, Maria Reina Martin e Avelino Matos, em representação da FTDC e da FIDESTRA, bem como o Professor Paulo Gaspar do ISCET – Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo, que fora do âmbito do seminário tiveram oportunidade de reunir com representantes do grupo de Associações e Instituições de Ensino Superior que preparam a realização de um curso internacional – Master – para Jovens Quadros e Dirigentes de Organizações Sindicais e Laborais.

O interesse pela organização de um curso com estas qualificações para formar jovens dirigentes e quadros das organizações do terceiro sector (economia social), surgiu após a realização no Porto de um curso de especialização com estas características. Recordo que o curso foi promovido pela FIDESTRA e teve o apoio do EZA, COMUNIDADE EUROPEIA e do ISCET. Em outra notícia falaremos mais pormenorizadamente deste assunto.

Durante os três dias do seminário foram cerca de 20 pessoas que intervieram para abordar a temática do seminário, que contou com uma participação de cerca de 60 pessoas provenientes de vários países da EU.

Todos estamos conscientes da importância que as tecnologias têm na influência da nossa vida e no contributo para o desenvolvimento das sociedades modernas. 

A sociedade contemporânea vem passando por inúmeras mudanças em todas as áreas do conhecimento humano. Os impactos produzidos nos últimos tempos na sociedade através dos meios de comunicação altamente sofisticados como a Televisão, satélites, internet, têm provocado uma profunda modificação no estilo de conduta, atitudes, costumes e tendências das populações mundiais.

É importante ressaltar que essas mudanças só ocorrem por causa do avanço das tecnologias, sobretudo no ramo das telecomunicações. Isso é percebido diariamente em todos os países do mundo, principalmente os mais evoluídos, pois os mesmos produzem tecnologia de forma acelerada e com uma eficiência singular.

A era da tecnologia produz um efeito crescente de desenvolvimento em todos os cantos do mundo, isso faz com que haja uma revolução do próprio processo de compreensão do mundo.

O vertiginoso aumento das tecnologias da comunicação e informação impulsiona ainda mais o processo de mudança comportamental no mundo, isso acontece porque todos os envolvidos com essas, tem que se adaptar a elas para se estabelecerem no mercado e/ou na vida de um modo geral.

Baseado nisso, é que com todas essas mudanças, a valorização do conhecimento é ainda mais necessária e uma preocupação de Portugal.

As Tecnologias de informação e comunicação têm implicações sociais e económicas enormes e afectam todos. Na sociedade actual, o acesso à informação é mais do que um direito: é uma condição essencial para o progresso e para a prosperidade. É uma obrigação social, além de também ser uma oportunidade económica, incluir os milhões de cidadãos em risco de serem deixados para trás, sem possibilidade de utilizarem as TIC em seu benefício.

Maria Reina Martin no decorrer da sua intervenção teve ainda oportunidade de abordar o plano tecnológico do Governo Português.

Peter Serracino – Inglott (ex – Reitor da Universidade de Malta, Ex – Presidente do Conselho de Ciências e Tecnologia de Malta e membro da Convenção sobre o futuro da Europa) na sua extensa mas qualificada comunicação deixou dúvidas e algumas afirmações para a nossa reflexão. Disse; A economia domina e controla as novas tecnologias e as suas influências. Quem controla as novas tecnologias controla e domina a sociedade.

Vamos continuar a permitir que estas grandes multinacionais controlem e dominem as tecnologias, ou devemos contribuir para tornar estas tecnologias património mundiais e de todos?

É necessário estabelecer um plano para analisar as influências das tecnologias na autonomia dos estados.

Que influencia tem as tecnologias no desenvolvimento da sociedade e que repercussões tem no comportamento individual e colectivo das pessoas.

São as tecnologias um contributo para o bem-estar das pessoas?

O que actualmente está a acontecer é uma inversão dos valores colectivos e sociais. Está instalado uma atitude de hiper dependência das empresas servidoras, que nos fornecem ou nos dão acesso ao que querem.

As empresas utilizam a informática com o objectivo único de alcançar mais lucros, sem quaisquer preocupações com o que está socialmente a acontecer aos trabalhadores e suas famílias que perdem o emprego. 

É urgente inverter esta tendência e criar riqueza para a distribuir de forma justa. Devemos colocar a Justiça Social como primeira das novas prioridades. As pessoas são a nossa prioridade.

Podemos ainda destacar de algumas intervenções durante o seminário; Os movimentos laborais e sociais deviam ter mais condições para investigar este assunto, agir e interrogar os trabalhadores para terem uma ideia concreta das suas realidades.

Faltam normas sobre a ética da utilização das novas tecnologias.

Todo o mundo deve ter acesso à utilização da internet, mas para isso é necessário diminuir substancialmente os custos com a aquisição do equipamento e utilização da internet.

Disseram os jovens; É importante verificar como a internet ou as novas tecnologias podem aproximar as pessoas de diferentes gerações. Associar experiencia e conhecimentos de vida com a normal utilização das novas tecnologias pelos mais jovens.

O EZA em parceria com as suas Associações filiadas (entre elas a FIDESTRA) deve criar um instituto de investigação de base social cristã para diagnosticar, analisar e propor ideias que contribuam para que as novas tecnologias sirvam as pessoas, as famílias e a sociedade. 

As novas tecnologias devem servir para criar um equilíbrio entre a vida e o trabalho e não para aumentar as diferenças e discriminações.

 Reforçar a ideia que a EU serve os interesses dos cidadãos, a família, o direito ao trabalho, o desenvolvimento e o bem-estar.

A EU não é só um mercado comum mas a união de valores.

As novas tecnologias devem servir para aproximar as pessoas, diminuir as assimetrias existentes entre países membros e aumentar as relações com outros continentes. As relações com África, o apoio para a sua evolução e desenvolvimento, são um contributo com benefício comum.

 

Fernando Moura e Silva, Malta -16 de Maio de 2010